Tag

vendas

Browsing

Saber como montar um excelente ponto de venda (ou PDV) vai fazer toda a diferença para o seu varejo. Afinal, caso você não saiba, de acordo com dados divulgados pela Nielsen, 70% das decisões de compra acontecem no ponto de venda. Isso mesmo!

Assim sendo, além de ser extremamente importante você desenvolver estratégias de relacionamento e de vendas que acompanhem o comportamento de compras e as tendências do momento – como, por exemplo, a utilização de redes sociais para fortalecer a sua marca e demais ferramentas disponibilizadas pela tecnologia – você não pode, jamais, esquecer da organização e da manutenção do seu ponto de venda

Ps: sim, nós sabemos que são muitas as frentes que envolvem um bom trabalho de gestão no supermercado. E que elas estão aumentando cada vez mais. 

Antes um supermercado de bairro sobrevivia muito bem “apenas” com a propaganda boca a boca e marketing tradicional (carro de som, outdoor e rádio, por exemplo). Entretanto, hoje, a concorrência está mais acirrada e, além disso, o comportamento de compras do consumidor mudou. E é para te ajudar a acompanhar essas tendências que nós estamos aqui.

Hoje, preparamos 8 dicas infalíveis para você ter mais sucesso no seu ponto de venda e alavancar os resultados do seu supermercado. Confira! 

8 dicas para ter mais sucesso no seu ponto de venda

Antes de começar a pontuar as nossas dicas, vamos sugerir uma pequena ação: pense nos momentos em que você foi o cliente. Isso mesmo: coloque-se no lugar do consumidor.

Assim, tente lembrar quais foram os motivos pelos quais você já deixou de comprar algum produto em um PDV.

Também, faça o inverso.

Ou seja: pense naqueles momentos em que você foi até um ponto de venda e acabou comprando mais do que o que havia planejado simplesmente. O que fez com que isso acontecesse?

Esse exercício pode te ajudar a ter bons insights de ações a serem tomadas no seu supermercado. 

Dito isso, é hora de seguir para as nossas 8 dicas para você aplicar no seu ponto de venda e alavancar os resultados da sua loja. 

1. Tenha uma loja bem apresentável, ou seja: organizada, limpa, segura, confortável, agradável, etc

Pois bem, o primeiro passo para você ter bons resultados no seu ponto de venda é garantir que ele seja bem apresentável. Ou seja, que as pessoas sintam vontade de ir até a sua loja. E aqui estamos falando tanto dos seus fiéis quanto aqueles que ainda não conhecem o estabelecimento.

E por quais motivos as pessoas sentem vontade de entrar na sua loja? Porque elas sabem que terão boas experiências lá.

Neste cenário, para ter uma loja bem apresentável, que atraia clientes e faça com que você aumente as suas vendas, é importante pensar nos seguintes pontos:

  • Fachada atrativa e convidativa;
  • Iluminação que favoreça os produtos e torne o ambiente agradável
  • Organização, tanto nos produtos quanto nos corredores, garantindo que o fluxo de pessoas seja facilitado e que os produtos sejam facilmente encontrados
  • Temperatura ambiente confortável
  • Limpeza 
  • Som ambiente agradável e convidativo
  • Facilidade de acesso 
  • Segurança

Como você pode ver, em nenhum momento aqui nós citamos os preços ou o mix de produtos. Neste primeiro tópico estamos apenas focando no ambiente “geral” da sua loja.

Agora sim, podemos seguir para o próximo ponto. 

2. Garanta que os preços sejam facilmente encontrados – e, é claro, estejam certos!

É muito comum que as pessoas desistam de comprar um produto simplesmente porque não encontram o preço dele. Isso faz com que o ticket médio das compras seja mais baixo e, também, sejam diminuídas as compras por impulso.

Caso seja um produto que a pessoa queira MUITO comprar, ela até pode ir até o caixa para perguntar o valor. Porém, se é uma mercadoria que ela levaria por impulso, quando o preço não está visível, a chance da desistência da compra é muito maior.

Entretanto, tão ruim quanto ou até pior do que não ter o preço na prateleira é quando o preço do produto está errado. Esse erro causa frustrações no seu cliente e, possivelmente, é algo que ele lembrará no futuro.

Por isso, evite ao máximo esse erro no seu ponto de venda. Garanta que os preços das mercadorias sejam sempre facilmente encontrados e estejam certos.

3. Tenha uma equipe bem treinada e proativa

Outro ponto importante que faz com que o seu supermercado destaque-se dos demais e tenha mais sucesso no ponto de vendas está relacionado com a sua equipe. Isso mesmo! 

Um bom time, bem treinado, proativo e que veste a camisa da empresa faz toda a diferença. São esses os profissionais que representam a sua marca e fazem o contato direto com os clientes.

Por isso, garanta que você tenha bons colaboradores trabalhando na sua loja. O bom atendimento é um diferencial e, além do mais, pode auxiliar até mesmo na hora de aumentar o valor das vendas.

Por exemplo: o operador de caixa que sugere produtos extras para serem comprados e estimula o consumidor a cadastrar-se no clube de descontos da loja. Ele está ajudando a melhorar os resultados do seu varejo e, ao mesmo tempo, garantindo mais valor ao seu ponto de venda.

4. Ofereça um bom mix de produtos 

Impossível falar de aumentar as vendas no seu PDV e não citar o mix de produtos. Afinal, as pessoas que vão até a sua loja desejam encontrar boas mercadorias para abastecer a sua casa e/ou negócio.

Entretanto, oferecer um bom mix de produtos é algo altamente subjetivo. Afinal, cada supermercado tem um público-alvo e perfil de clientes específico. Por isso, para garantir um bom mix de produtos no seu ponto de venda, é essencial que você conheça muito bem os seus clientes e saiba:

  • Quem são eles
  • O que eles desejam;
  • Quais os produtos que costumam adquirir;
  • E, mais do que isso, o que você pode oferecer para surpreendê-los.

Para ter todo esse conhecimento de público, nada melhor do que contar com uma plataforma de Gestão de Clientes completa, como é o caso do CBM da Mercafacil. A ferramenta te auxilia a conhecer melhor cada um dos seus clientes de acordo com suas singularidades. 

Dessa forma, você passa a oferecer o mix de produtos certo para as pessoas certas. A assertividade da sua loja aumenta, a experiência de compras do seu cliente é mais positiva e a fidelização dos seus consumidores mais certa.

– Veja mais em 5 dicas para escolher o melhor mix de produtos para sua loja.

5. Utilize bem os “hot points” (como a frente de caixa, por exemplo) para aumentar suas vendas 

Outra boa dica para você aumentar suas vendas no PDV é saber como utilizar bem os “hot poits”, traduzidos como “pontos quentes”. Eles são os locais estratégicos de uma loja e normalmente ficam posicionados perto das entradas do estabelecimento ou próximos aos caixas.

Normalmente, esses pontos estratégicos são conhecidos por gerar compras por impulso, uma vez que os produtos estão em destaque, com o preço bem visível e de fácil acesso ao cliente.

Uma boa dica é apostar em geladeiras bem abastecidas perto dos caixas, tanto na entrada quanto na saída da loja, por exemplo. Essa ação faz com que haja a compra por impulso imediato, afinal, o cliente sabe que ao comprar este produto, irá beber algo gelado em questão de minutos.

Lembre-se de que a localização dos produtos é um atributo que influencia diretamente nas vendas. Por isso, na hora de organizar a sua loja, leve isso em consideração.

Entretanto, para saber como distribuir os diversos tipos de artigos na sua loja, voltamos a um tópico que já citamos anteriormente: a necessidade de conhecer o consumidor que frequenta a sua loja. Afinal, somente assim você entenderá a melhor forma de fazer um bom layout e distribuição de mercadorias de acordo com o gosto do seu cliente. 

6. Elabore uma boa comunicação no PDV

É essencial que os seus clientes não sintam-se perdidos no seu ponto de venda. Por esse – e tantos outros motivos, – é importante você elaborar uma boa comunicação visual no PDV.

Além de ajudar as pessoas a não se perderem pela loja, a comunicação visual bem feita auxilia a:

  • Mostrar para os consumidores onde fica o corredor de cada sessão;
  • Exibir as principais ofertas em destaque da sua loja;
  • Alertar sobre cuidados com a segurança, principalmente em tempos de distanciamento social;
  • Mostrar quais são as campanhas vigentes da sua loja;
  • Revelar quais são os produtos que acabaram de chegar, entre outros.

São diversas as formas de você apostar em uma boa comunicação visual no seu ponto de loja. É possível usar displays, cartazes, etiquetas atrativas e em formatos diferentes (como em “splash” para dar mais destaque, embalagens chamativas, entre outros.

Entretanto, sejam quais forem as formas escolhidas para você fazer essa comunicação visual, lembre-se de optar por fontes que sejam entendidas facilmente, com cores que destaquem-se do plano de fundo e, se possível, em tamanho grande.

Também, caso o objetivo seja divulgar ofertas, aposte em expressões já populares e que despertam interesse e curiosidade no consumidor, por exemplo: 

  • Leve 3, pague 2
  • Compre agora
  • Últimas unidades disponíveis
  • Acima de 3 unidades, cada unidade sai por [inserir um valor mais baixo]. 

Vamos também lembrar que a comunicação visual deve ser padronizada. Assim, evita-se a poluição visual e a sensação de desorganização. Por isso, defina quais serão as cores, as fontes e os formatos de cartazes utilizados com antecedência e siga esse padrão. 

7. Faça uma pesquisa da concorrência e traga boas ideias para o seu ponto de venda

Saber como os seus concorrentes estão atuando no mercado pode ser outro ponto importante para você desenvolver as ações estratégicas no seu ponto de venda.

Mas veja bem, não estamos falando de copiar os outros supermercados, e sim de se inspirar em boas ações feitas pelos seus concorrentes.

Neste cenário, dedique-se para fazer um bom benchmark. Com ele, você pode ter boas ideias a partir de ações feitas pelos seus concorrentes. Elas podem ser um ponto de partida para você desenvolver campanhas ainda melhores no seu PDV. 

8. Conheça seus clientes, analise os dados das suas vendas e transforme esse conhecimento em ações

Por último, mas não menos importante – inclusive, talvez esse seja o ponto mais importante para você aumentar as suas vendas no seu PDV – estamos falando de você conhecer muito bem o seu público.

E, aqui, não estamos falando de achismos. Mas sim de conhecer, estatisticamente, os seus clientes. 

Saber características como: 

  • Idade;
  • Classe social;
  • Frequência de compras;
  • Ticket médio das compras;
  • Produtos preferidos;
  • Endereço em que mora e endereço em que trabalha, entre outros. 

São esses dados que permitem que você personalize o seu PDV e a sua maneira de se comunicar com essas pessoas.

Quer um exemplo para entender melhor a importância desses dados para o seu ponto de venda? Pois bem:

Vamos supor que o seu supermercado fica localizado em frente a um colégio. O que isso significa? Que haverão muitos estudantes por perto. Assim sendo, talvez seja uma excelente ideia você apostar em lanches e comidas prontas logo na entrada da loja.

Outro exemplo pode ser aplicado quando o supermercado é localizado perto de uma academia. É possível que as vendas de isotônicos, barras de proteína e suplementos sejam maiores nesse local. Entendeu?

Entretanto, você só terá certeza de todas essas suposições de uma forma: analisando os dados da sua loja. Por isso contar com a plataforma de Gestão de Clientes da Mercafacil pode ser uma verdadeira mina de ouro para o seu varejo vender mais.

Quer saber mais sobre como podemos te ajudar? Agende agora mesmo uma reunião gratuita com um dos nossos especialistas e saiba como a Mercafacil vai te oferecer todas as informações e insights que você precisa para montar um ponto de venda impecável.

Se você está tendo dificuldades para divulgar o WhatsApp do seu varejo e está em busca de aumentar o engajamento dos seus clientes por essa ferramenta, você está no lugar certo.

Afinal, já faz tempo que o WhatsApp deixou de ser uma simples ferramenta de troca de mensagens entre amigos. Hoje, ele é uma poderosa plataforma para as empresas se comunicarem com seus clientes.

Inclusive, para ter noção do quão importante essa ferramenta pode ser para o seu negócio,  segundo a pesquisa Mensageria no Brasil – Fevereiro 2020, publicada pela Panorama Mobile Time/ Opinion Box, pelo menos 76% dos brasileiros já usaram o WhatsApp para interagir com marcas.

Ps: essa pesquisa foi feita logo antes da pandemia. Ou seja, a porcentagem atual de clientes que se comunicam com as empresas via WhatsApp é ainda maior!

Dessa forma, podemos entender que as empresas que utilizam de forma adequada o WhatsApp e conseguem se comunicar com os seus clientes via essa ferramenta saem na frente das daquelas que não se desenvolveram nesse quesito.

Porém, como fazer com que haja um bom engajamento dos seus clientes para que eles entrem em contato com a sua marca via WhatsApp? Acreditamos que o primeiro passo é saber as melhores formas de divulgar o WhatsApp do seu negócio de maneira assertiva e efetiva.

Afinal, para que a comunicação com o seu cliente seja assertiva por essa ferramenta,  é ele quem deve dar o primeiro passo e começar a conversa com a empresa. 

E é para te dar boas sugestões de como fazer isso que nós preparamos esse texto. Acompanhe!

Entenda os principais motivos de divulgar o WhatsApp – e deixe-os muito claros para o seu cliente

Como comentamos rapidamente acima, é o cliente que deve começar uma conversa com o WhatsApp do seu supermercado para que a comunicação entre vocês seja positiva. Então, é hora de se colocar no lugar deste cliente.

Pense da seguinte forma: 

Se você estivesse no lugar do cliente, por quais motivos você começaria uma conversa no WhatsApp com uma marca? 

As respostas podem ser variadas, porém, existe algo que não muda: é importante que a marca envie conteúdos de qualidade via WhatsApp. 

Quais os benefícios de fazer uma boa gestão do WhatsApp?

Você, como varejista, deve compreender quais são os principais benefícios de ter um canal de WhatsApp relevante. Assim sendo, lembre-se que essa plataforma é uma maneira de você criar um relacionamento diário com o seu cliente

Dentre os conteúdos que você pode enviar por este canal, destaque para: 

  • Ofertas exclusivas;
  • Conteúdos educativos relevantes, como receitas e dicas que despertarão o interesse e a curiosidade do cliente;
  • Informações variadas relacionadas à mudanças no horário de funcionamento, inaugurações e/ou campanhas especiais;
  • Produtos novos que acabaram de chegar no mercado e/ou produtos que já faziam parte do seu mix, mas que estão em promoção, e muito mais.

Entenda que o WhatsApp é mais um canal de comunicação entre você e o seu cliente. Ele está presente nos celulares de 99% das pessoas e deve fazer parte da sua estratégia de marketing.

Porém, para que você tenha sucesso nessa plataforma, é muito importante criar estratégias para os seus clientes adicionem o número de WhatsApp do seu negócio. É isso que vamos sugerir abaixo.

5 dicas para divulgar o WhatsApp do seu supermercado

1. Divulgar o QR Code e o número do WhatsApp na loja 

Para divulgar o WhatsApp do seu supermercado, lembre-se de acrescentar o QR Code e o número do WhatsApp em todos os materiais da sua loja. 

Você pode criar uma placa de acrílico e deixá-la exposta nos caixas, assim como na entrada do seu supermercado. Também, acrescente essas informações no seu encarte, panfletos e demais materiais de comunicação.

Além disso, ao acrescentar essas informações, coloque uma chamada convincente para os seus clientes terem vontade de adicionar o WhatsApp do seu supermercado. Por exemplo:

“Adicione o [nome do supermercado] no WhatsApp, nos dê um ‘oi’ por lá e receba ofertas exclusivas!” 

2. Contar com o apoio dos colaboradores para divulgarem o WhatsApp 

Além de divulgar o WhatsApp via materiais na sua loja, lembre-se que é muito importante contar com um time engajado, que entenda a importância do WhatsApp para o seu negócio.

Por isso, reforce aos seus operadores de caixa e demais funcionários sobre o papel que eles têm em divulgar o WhatsApp do supermercado. Na hora que o cliente estiver passando o produto no caixa, o profissional pode falar rapidamente sobre o WhatsApp, citando as vantagens que o cliente terá caso se comunique com a loja por este canal.

3. Divulgar o WhatsApp via SMS e demais canais diretos

Outra dica importante para ter sucesso na hora de divulgar o WhatsApp do seu varejo é utilizar outros meios de comunicação diretos para fazer essa disseminação. Um que pode trazer muitos resultados instantâneos é o SMS.

De rápida leitura e altamente objetivo, o SMS oferece: entrega imediata, leitura de no máximo 3 minutos e taxa de abertura que chega a até 98%. Basta preparar mensagens assertivas, que despertem a curiosidade e o senso de urgência aos clientes. Assim, você terá ótimas chances de aumentar o engajamento do WhatsApp do seu supermercado.

Por exemplo: “Quer ofertas exclusivas? Então fale com [nome do supermercado] via WhatsApp e fique por dentro das novidades! Adicione nosso número/acesse o link e nos dê um ‘oi’”

Ps: se você já for cliente Mercafacil, fale com o seu consultor! Ele poderá te ajudar a redigir mensagens de SMS ideais para aumentar o engajamento do seu WhatsApp. 

4. Postar um conteúdo interessante nas redes sociais e instigar as pessoas para adicionarem o WhatsApp para saberem mais sobre o assunto

Outra forma de divulgar o WhatsApp do seu supermercado é instigando a curiosidade dos seus clientes via redes sociais. Você pode, por exemplo, postar a foto de uma receita deliciosa nas suas redes e, na legenda, acrescentar algo como: 

“Quer saber como preparar esse prato? Então acesse o nosso link do WhatsApp/adicione o nosso número e tenha acesso a esse e muitos outros conteúdos exclusivos”. 

5. Criar um sorteio em que uma das regras é a pessoa comunicar-se com a sua loja via WhatsApp  

Além dos conteúdos educativos e que despertam o interesse e a curiosidade dos clientes, você pode apostar em sorteios para aumentar o engajamento do seu WhatsApp. 

Como fazer isso? 

Na hora de criar as regras para o sorteio, basta acrescentar uma que seja relacionada com o WhatsApp. Por exemplo: “Para participar do sorteio, você deve nos chamar no WhatsApp e mandar a mensagem ‘quero participar’”. Entende? 

É hora de divulgar o WhatsApp do seu supermercado! 

Pois bem, agora você já sabe mais sobre como divulgar o WhatsApp do seu varejo de forma mais assertiva, certo?! 

Porém, se você ainda tem dúvidas sobre como utilizar essa ferramenta como uma poderosa estratégia no seu negócio ou está em busca de soluções personalizadas para o seu varejo, entre em contato conosco e saiba como podemos te ajudar. 

Com a plataforma da Mercafacil, além de contar com todo o suporte dos nossos consultores na hora de redigir suas mensagens, você encontra planos que vão de 4.000 a 20.000 disparos de mensagens diárias via WhatsApp. 

Basta escolher o mais adequado para as suas necessidades e colher os frutos de fazer uma boa estratégia de comunicação via essa ferramenta!

Como é a relação do seu supermercado com os produtos premium? Sabemos que, à primeira vista, o termo “produtos premium” pode assustar. Entretanto, você sabia que 33% dos lares brasileiros são propensos a comprar mercadorias dessa categoria?

Os dados são do estudo “Valor Além do Preço”, feito pela Nielsen, que também revela que consumidores que tendem a comprar a linha premium estão presentes em todas as classes sociais.

Assim sendo, preparamos este material para te mostrar tudo o que você precisa saber sobre esses itens, pensando na melhor forma de incorporá-los do seu mix de produtos. Confira!

Produtos premium: qualidade e atributos que vão além do preço

É sempre importante ressaltar que ser premium vai além do preço. Ou seja, os produtos premium são aqueles que incorporam qualidade e costumam trazer uma performance superior aos demais.

Eles oferecem vantagens e benefícios que justificam um investimento financeiro maior. E, é claro, existem pessoas dispostas a desembolsar mais dinheiro caso os produtos compensem.

Abaixo, separamos algumas dicas que podem te ajudar a incorporar os produtos premium no seu mix de produtos e, assim, oferecer mercadorias diferenciadas para os seus clientes. Confira! 

Formas de incorporar produtos premium no seu mix de mercadorias

1. Oferecer embalagens de tamanhos menores 

Por serem itens costumeiramente mais caros, uma boa dica para o seu supermercado é oferecer produtos premium em tamanhos menores. Por exemplo, quem nunca viu uma embalagem da batata Pringles menor? Ela sai por um preço mais barato e, ainda assim, causa uma sensação positiva ao cliente. Afinal, ele sabe que acabou de adquirir um produto premium.

É claro que esse é apenas um exemplo, mas ele pode ser replicado em diversas mercadorias premium. Às vezes o produto premium é o “luxo” da compra, e esse luxo não precisa vir em “tamanho família”. Basta suprir desejos naquele momento ou, mais do que isso, fazer com que o cliente tenha a possibilidade de conhecer marcas que ele acreditava que eram inacessíveis.

2. Saber o que o seu cliente busca

É muito importante você saber o que o seu cliente procura quando está fazendo compras no seu supermercado. Neste cenário, você fazer uma boa gestão de clientes e conhecer de maneira mais completa o seu consumidor é fundamental.

Contando com um software completo de CBM (Consumer Behavior Management – Gestão de Comportamento do Consumidor), como é o caso da ferramenta da Mercafacil, por exemplo, você tem acesso ao histórico de compras e de todo o perfil de cada cliente cadastrado. 

Assim, você pode segmentar os seus clientes até descobrir quais são aqueles que costumam comprar carnes de primeira no seu açougue com uma boa frequência. Feito isso, que tal mandar uma oferta exclusiva para eles, via SMS, convidando-os para conhecer cortes de carne premium?

De acordo com dados do site Consumidor Moderno, no Brasil, “são consumidas cerca de 200 mil toneladas/ano (entre importações e produção nacional) de carnes especiais, com um crescimento de 20% ao ano na última década”. Você tem aproveitado esse nicho no seu supermercado?

Ps: novamente, assim como no tópico superior, esse é apenas um exemplo de como você pode estimular o consumo de produtos premium pelo seu cliente. Lembre-se sempre de conhecer o perfil do seu consumidor e, a partir disso, segmentar suas campanhas e desenvolver suas ações.

3. Escolher bem os produtos premium que você vai oferecer no supermercado

Existem aqueles produtos que você precisa oferecer opções variadas, apostando em diversas marcas. Vamos pegar um exemplo que o Leandro Rosadas deu no blog dele, o exemplo do detergente. Assim sendo, na sua loja é importante você ter em seu mix: 

  • O detergente premium, ou líder, que é a marca que mais sai na sua região – e pode ser aquele com o preço mais alto.
  • Também, é importante ter o detergente de linha econômica, que apresenta uma qualidade tão boa quanto o líder, mas tem um valor mais baixo. 
  • E, por fim, o detergente “de combate”, que é mais barato e apresenta uma qualidade inferior, mas é bem mais barato/vem em quantidades maiores. 

Como o detergente é um produto de uso diário e existem pessoas que dão muito valor para a marca, talvez seja importante você oferecer o premium do segmento. 

E é claro que esse exemplo pode ser seguido para outros produtos também, como azeite de oliva, refrigerantes, café, arroz, macarrão instantâneo, outros produtos de limpeza, pasta de dente, entre outros.

Entretanto, para os produtos da curva C – ou seja, de menor saída, – talvez não seja necessário você oferecer os produtos premium, econômicos e de combate. Nestes casos, é importante avaliar o que faz mais sentido para a sua loja e para os seus clientes. Ou seja, avaliar financeiramente quais oferecem um melhor custo benefício e são queridos pelo seu consumidor. 

Como fazer isso? Novamente, utilizando um software de gestão de cliente, que faz com que você compreenda melhor o comportamento de compra dos consumidores e entenda quais são os produtos que ele valoriza e busca no seu supermercado.

Apenas para exemplificar, alguns dos produtos de curva C que citamos acima, podem ser as alcaparras e demais conservas, adoçantes, geleias, sal, entre outros. 

Como é a saída dos produtos premium no seu varejo?

Com certeza você oferece produtos premium na sua loja. O que queríamos mostrar, nesse texto, são boas formas de talvez incorporar outras mercadorias dessa categoria e, ainda, desmistificar a ideia de que apenas pessoas das classes mais altas consomem esses produtos. E então, o que você acha sobre o assunto? Deixe aqui a sua opinião!

Ah, e é claro, caso você queira contar com a plataforma líder em Gestão de Clientes do Brasil para te ajudar a compreender os seus clientes e manter suas vendas sempre em alta, aproveite para marcar uma demonstração gratuita com um dos nossos especialistas e surpreenda-se com as soluções da Mercafacil para o varejo.

Você já ouviu falar nas estratégias de sell in e sell out no varejo?

Acredite: conhecê-las e saber como utilizá-las para guiar suas compras, campanhas e ações pode ser de grande auxílio na hora de potencializar as suas vendas. Também, são ações que permitem que você tenha um maior controle e gestão de todo o seu supermercado. Importante, não é mesmo?

Dessa forma, para te auxiliar a compreender um pouco melhor esses conceitos, preparamos este material. Pode até ser que você já coloque algumas dessas estratégias em prática e nem saiba disso. 

E então, vamos ver o que são as ações de sell in e sell out no varejo?  Acompanhe!

Mas afinal: o que é sell in e sell out? 

Sell in e sell out são duas ações que podemos chamar de complementares, pois fazem parte do mesmo processo. Para compreender melhor:

Sell in

É quando a indústria/fornecedor/fabricante vende seus produtos para um canal de distribuição – como o seu varejo, por exemplo.

Ou seja, o sell in está relacionado com a compra das mercadorias que você fará para o seu supermercado. O objetivo, é claro, é sempre contar com fornecedores e distribuidores que ofereçam preços e condições favoráveis ao seu negócio. Porém, de nada adianta você ter um ótimo estoque de produtos se eles não são adquiridos pelos seus clientes, certo?

Isso pode desencadear em produtos encalhados, que geram prejuízos e perdas para o seu negócio.

Sell out

O sell out, por outro lado, é o nome que se dá para a venda final e direta do seu negócio para os seus clientes. Para calculá-lo você avalia a quantidade do tempo que determinada mercadoria demora para sair da sua loja e ser adquirido pelo cliente.

Por exemplo, produtos com bom sell out são aqueles de alto giro, sempre requisitados pelos clientes e que não podem, em hipótese nenhuma, estar em falta no seu varejo.

Utilizando o sell in e sell out em sintonia perfeita

Você já compreendeu que o sell in consiste na compra de mercadorias para o seu varejo, enquanto o sell out consiste na venda destes produtos para os clientes, certo? Com isso em mente, é hora de você compreender a importância de ter essas duas estratégias sempre caminhando de forma alinhada, lado a lado. 

Mas como fazer isso? Pois bem…

O sell out deve guiar o sell in

Sim, é isto mesmo. 

O que deve guiar as compras para o seu supermercado é a saída destas mercadorias.

Afinal, de nada adianta você encontrar um fornecedor que ofereça um preço incrível por um produto se esse ítem não faz sucesso entre os seus consumidores. É claro que é importante aproveitar oportunidades que surgem ao longo da gestão do seu supermercado, porém, é mais essencial ainda fazer as suas ações baseadas em dados, e não em achismos/impulsividade.

Assim sendo, lembre-se que a projeção das ações de sell in devem ser proporcionais ao que o seu varejo projeta com o sell out. Caso as vendas de determinada mercadoria aumentem, você revê o abastecimento – ou seja, o sell in – e o faz em maior quantidade ou frequência.

O ideal é que esta dinâmica seja sempre mantida e esteja em sintonia. E, para isso, pode ser essencial contar com um bom software de gestão no seu varejo.

Você pode buscar por uma plataforma que una em um só lugar várias informações e dados relevantes para evitar situações incômodas para o seu supermercado, como:

  • Produtos que encalham – quando o sell in é mal feito;
  • Mercadorias que ficam em falta, gerando a ruptura de gôndola – que acontece quando o sell out é mal projetado.

Entenda que a tecnologia é sua melhor amiga e veio para ficar. Ao invés de lutar contra, busque nela boas soluções para você diferenciar-se dos seus concorrentes e potencializar as ações do seu varejo. E é esse pensamento que nos leva ao próximo tópico. 

Usando a tecnologia para guiar suas ações

A tecnologia traz ferramentas vitais para você ter um bom controle do seu varejo. Um exemplo de sucesso é o CBM (Consumer Behavior Management – Gestão de Comportamento do Consumidor) da Mercafacil. Com ele, você passa a ter dados completos e assertivos sobre todo o comportamento de compra do seu consumidor.

Assim, com esse conhecimento em mãos, a chance de você acertar nas compras para o seu estoque e, também, de desenvolver ações de marketing para divulgar as suas mercadorias, aumenta de forma exponencial.

Ou seja: com este software você potencializa as suas estratégias de sell in e sell out e, ao mesmo tempo, passa a conhecer de maneira mais profunda os seus consumidores. Você compreende:

  • As preferências de compras do seu cliente – marcas preferidas, produtos que compram com mais frequência;
  • Os dias do mês em que costumam fazer compra;
  • A quantidade de vezes que este cliente costuma frequentar a sua loja em determinado período – mensal, semanal, entre outros;
  • O ticket médio de cada compra;
  • Faixa etária, sexo, estado civil, onde moram, etc.

Com todas essas informações e dados coletados pelo CBM, é hora de você desenvolver estratégias eficientes e assertivas de sell in e sell out. Aproveite este conhecimento para garantir que o seu estoque esteja sempre adequado com a intenção de compra dos seus clientes, evitando o encalhamento ou a falta de produtos. E, mais do que isso, capriche nas ações de marketing, ressaltando que você oferece tudo aquilo que o cliente precisa. 

Por fim, lembre-se de que a Mercafacil está aqui para te auxiliar neste processo. Entendemos que cada cliente é diferente e, assim, buscamos te ajudar a compreender e a fidelizar cada um deles. Ficou interessado? Então conheça as nossas soluções completas para o varejo. Agende uma demonstração gratuita com um dos nossos especialistas e surpreenda-se.

Você sabe como alcançar os R$ 2.500/m² no seu supermercado, com 5% de lucro líquido? E, mais do que isso, sabe qual a importância de bater esses números no seu estabelecimento?

Acredite, atingir essas métricas com frequência e constância pode te ajudar a fazer com que o seu negócio chegue a um novo patamar, obtendo ainda mais sucesso.

Para te ajudar nessa missão, vamos te explicar melhor o que significa alcançar R$ 2.500/m² no seu supermercado com 5% de lucro líquido… E, é claro, oferecer boas dicas para isso. Acompanhe!

O que significa alcançar R$ 2.500/m² no seu supermercado?

Alcançar R$ 2.500/m² no seu supermercado com 5% de lucro líquido significa exatamente isso que você está lendo. Não existe forma de ser mais literal de explicar essa frase.

De acordo com Leandro Rosadas, especialista em supermercados, a média de vendas dos supermercados, segundo a pesquisa da Associação Paulista de Supermercados (APAS), é de cerca de R$2100/m².

“Porém, notamos que as lojas eficientes, que têm bons resultados e que chegam entre 5% a 6% de lucro líquido, são aquelas que conseguem atingir pelo menos R$2500m²”, comenta o especialista. 

Isso significa que: se o seu estabelecimento tem 100m², você deveria vender R$250 mil reais, por exemplo. 

Entretanto, sabemos que isso não acontecerá “do dia para a noite” e, muito menos, sem conhecimento e esforço da sua parte. Por isso, é muito importante que você, varejista, coloque isso como meta e trace o melhor caminho para alcançá-la.

Ademais, é para isso que estamos aqui: oferecer sugestões de ações que podem te ajudar a alcançar os R$ 2.500/m² no seu supermercado com 5% a 6% de lucro líquido.

Como alcançar R$ 2.500/m² no seu supermercado? Veja 5 dicas!

1. Dê atenção aos perecíveis 

A parte dos perecíveis do seu estabelecimento é essencial para te ajudar a alcançar os R$ 2.500/m² no seu supermercado. Ainda utilizando Leandro Rosadas como fonte, ele ressalta que “o ideal é que 50% do espaço total da sua loja seja composto pelos perecíveis”.

Assim sendo, mesmo se você tiver “somente” um hortifrúti, padaria ou açougue, já é possível alcançar os R$ 2.500/m². Entretanto, é claro que o objetivo torna-se mais palpável quando você tem um supermercado mais completo, em que há uma diversidade de produtos e o seu estabelecimento conta com todas essas áreas.

Por outro lado, se o seu negócio não conta com a parte de perecíveis e é composto apenas por uma mercearia, será mais complicado atingir os  R$ 2.500/m² – a não ser que seja uma loja de atacado.

O quanto cada setor deve representar em vendas totais no seu supermercado? 

Para você ter uma noção ainda mais clara de quanto cada setor do seu supermercado deve entregar em vendas, confira as porcentagens sugeridas abaixo:

  • Açougue: 25% 
  • Hortifrúti: 11%
  • Padaria:
    – Própria: 4%
    – Terceirizada: 2,5%
  • Laticínios: 9%
  • Bebida: de 12% a 15%
  • Mercearia doce: 14%
  • Mercearia salgada: 5%
  • Limpeza: 5%
  • Perfumaria: 4%
  • Bazar: 2%
  • Pet: 0,5%

*Dados retirados do blog do Leandro Rosadas

“Ué, mas esse somatório dá mais do que 100%?” 

Sim, e é para dar mais de 100%. 

Tendo como base essas porcentagens, você poderá verificar quais setores da sua loja estão indo bem e, também, melhorar aqueles que estão com a representatividade de venda abaixo do recomendado. 

Se o seu setor de hortifrúti está vendendo 20% da sua loja, é provável que outros setores estejam deixando a desejar, certo? Pois bem, então verifique quais são eles e busque desenvolver ações personalizadas para eles. Sem deixar de lado, é claro, o seu setor de hortifrúti. 

Neste cenário, uma boa dica é contar com uma plataforma de Gestão de Clientes completa para o seu negócio. Com ela, você:

  • Conseguirá identificar o comportamento dos seus consumidores;
  • Poderá oferecer a oferta certa para cada um deles, fortalecendo o relacionamento com eles;
  • Ao mesmo tempo, poderá aumentar as vendas dos setores que estão com índices ruins.

Por exemplo: caso você perceba que o seu setor pet está muito parado, que tal fazer uma campanha segmentada para o setor? 

Na plataforma, você pode buscar quem foram os clientes que compraram produtos da área no último mês e mandar uma SMS exclusiva para eles. Na SMS, você manda uma oferta relevante, que seja compatível com o histórico de compra deles. 

Com uma ação personalizada e assertiva dessas, a chance de eles darem atenção para a sua mensagem é muito grande, acredite!

2. Crie um layout de loja impecável

Outra dica importante para alcançar os R$ 2.500/m² no seu supermercado é criar um ótimo layout de loja. Ou seja: organizado, prático e inteligente. Para isso, é importante você preocupar-se com as seguintes questões:

  • Iluminação: utilize uma luz adequada para valorizar os produtos na prateleira e deixar o ambiente agradável;
  • Distribuição do espaço: nada de amontoar mercadorias em um ponto e deixar outro espaço vazio. Busque fazer uma distribuição adequada do local, passando a impressão de que o seu supermercado “tem de tudo”, e, ainda assim, é bem organizado e ordenado;
  • Comunicação visual agradável: use nomes simples e cores para sinalizar a divisão dos departamentos do seu estabelecimento, evitando a poluição visual. Inclusive, aproveite para utilizar as cores a favor do seu negócio. Que tal criar um hortifrúti colorido, colocando lado a lado frutas com cores contrastantes?  
  • Organize as gôndolas: evite ao máximo a ruptura de estoque e mantenha as gôndolas sempre em dia. Ou seja, com os produtos com os rótulos virados para frente e dando destaque – deixando na altura do olhar – aqueles que são os queridinhos dos clientes/você deseja chamar mais atenção.

Lembre-se que investir no layout de loja é investir na experiência do consumidor. E, se o seu objetivo é alcançar os R$ 2.500/m² no seu supermercado, é essencial que você cause uma experiência positiva ao seu cliente.

3. Aproveite os pontos extras do supermercado com inteligência

Todo supermercado tem pontos extras. Estamos falando principalmente das ilhas promocionais, pontas de gôndola, o check stand (frente de caixa) e o clip strip.

Esses pontos extras, quando bem aproveitados, podem fazer toda a diferença para aumentar o ticket médio das vendas, favorecer a experiência do cliente na sua loja e, é claro, te ajudar a alcançar os R$ 2.500/m². Por isso, busque formas de colocar em prática as estratégias que evidenciam esses pontos. 

Por exemplo, que tal apostar em um cross selling matador nas pontas de gôndola? Utilizando os dados obtidos pelo seu software de gestão de clientes, você saberá quais são os produtos queridinhos dos seus clientes e poderá desenvolver estratégias vencedoras de cross selling. Algumas combinações que costumam funcionar muito bem são:

  • Cerveja + salgadinhos
  • Vinhos + chocolate + queijos 
  • Macarrão + molho de tomate + queijo-ralado + azeite de oliva
  • Morango + leite condensado 
  • Massa de pizza + molho de tomate + queijo + orégano
  • Carnes variadas + carvão + pão de alho + queijo coalho

Essas são apenas algumas sugestões de cross selling que você pode experimentar no seu supermercado. Porém, use a criatividade – e, é claro, o seu sistema de gestão de clientes – para ter mais assertividade nas suas estratégias.

Além do cross selling, não esqueça de fazer uma frente de caixa com produtos que são “difíceis de recusar”. Por exemplo, chocolates, refrigerantes, salgadinhos, balas, entre outros. Esses itens são ótimos para aumentar o ticket médio das vendas e gerar uma sensação positiva aos seus clientes.

4. Use todo o potencial do marketing digital a seu favor

Outra dica fundamental para você ter sucesso na hora de alcançar os R$ 2.500/m² no seu supermercado é: utilize o marketing digital para valorizar o seu negócio. 

Lembre-se que o marketing digital engloba:

  • Canais de comunicação diretos: SMS, WhatsApp,Telegram, e-mail, chatbot, push.
  • Redes sociais: Facebook, Instagram, Twitter, LinkedIn, Youtube, Pinterest, entre outros.
  • Mídias pagas e sites online: blog de conteúdo, sites, sites de campanha/promoções.

Assim, você deve verificar quais desses canais fazem sentido para o seu negócio e, então, desenvolver ações específicas e assertivas para cada um.

Lembre-se que, seja quais forem os canais escolhidos e por mais que cada um deles traga suas particularidades, limitações, diferenças de formatos, entre outros, todos eles possuem algo em comum:

É essencial que você saiba com quem você está falando.

E é exatamente isso o que abordaremos no próximo tópico. 

5. Faça promoção dos produtos certos para os clientes certos

O que os seus clientes querem? Como oferecer o que eles querem e, ao mesmo tempo, criar ações que tragam alto ROI? 

Pois bem, para solucionar essas questões, há apenas um caminho: conhecer muito bem o seu cliente. E, para isso, é fundamental ter uma boa plataforma de gestão de clientes. Ou melhor, o CBM da Mercafacil.

É a partir desse conhecimento mais aprofundado sobre o comportamento do seu cliente que você poderá se debruçar em cima do marketing digital e fazer o seu planejamento de ações assertivas e com alto ROI.

Assim, conhecendo muito bem o seu cliente, utilizando a tecnologia de gestão a seu favor e colocando em prática as nossas dicas, com certeza será mais fácil você alcançar os tão desejados R$ 2.500/m² no seu supermercado.

Pronto para bater os R$ 2.500/m² no seu supermercado?

Por fim, que tal contar com a plataforma líder em Gestão de Clientes do Brasil para te ajudar a alcançar os seus objetivos? Marque uma demonstração gratuita com um dos nossos especialistas e surpreenda-se com as nossas soluções para o varejo. 

Mais de 1400 lojas ao redor do país já contam com o CBM da Mercafacil. Faça parte desse grupo você também!

Você sabe o que são os produtos notáveis do supermercado? E, mais do que isso, sabe como utilizá-los como uma poderosa estratégia para alavancar as suas vendas? 

Para explicar um pouco melhor, vamos exemplificar uma situação real, que costuma acontecer com todos os consumidores:

Depois que o cliente vai até o supermercado e faz as suas compras, ele dificilmente lembrará “de cabeça” o quanto EXATAMENTE pagou em todos os produtos. Ele tem uma ideia, sim, do valor pago em cada mercadoria. Entretanto, é difícil que ele lembre do valor exato de todos os itens.

Por outro lado, existem aquelas mercadorias que o consumidor dificilmente esquece o preço. Que ele compra com certa frequência e volume e normalmente estão presentes no seu lar. 

Quando o cliente paga o que considera um “bom preço” por esses produtos, há uma maior chance de ele voltar a comprar na sua loja. Afinal, ele tem a impressão que a sua loja é mais barata do que as outras, – mesmo que isso não seja verdade. 

Neste caso, o que você fez foi: abaixar o preço dos produtos certos, ou melhor, dos produtos notáveis do supermercado.

Quando você, varejista, entende as melhores maneiras de organizar e precificar os produtos notáveis, você poderá ter um grande aumento nas suas vendas. 

Quer saber como ter sucesso nessa poderosa estratégia? Então confira as nossas dicas e prepare-se para colocá-las em prática o quanto antes.

O que são produtos notáveis no supermercado? 

Conforme explicamos brevemente no tópico acima, os produtos notáveis no supermercado podem ser entendidos como: 

Os produtos os quais os preços são mais fáceis de serem notados e lembrados pelos clientes.

Ou seja, são aqueles itens que o consumidor já tem uma boa noção do quanto costuma pagar quando vai às compras. E, por mais que o cliente seja fiel à sua marca, ele está inclinado a fazer pesquisas de preço sobre essas mercadorias e/ou até mesmo saiba “de cabeça” o preço desses itens.

Neste cenário, se o seu concorrente está vendendo os produtos notáveis por um valor mais baixo, o seu freguês poderá fazer as compras lá. Assim sendo, entendemos que os produtos notáveis no supermercado são aqueles que estão na sua curva A de competitividade.

Ou seja, são as mercadorias que você, varejista, deve acompanhar de perto a movimentação e a precificação da sua concorrência. Como não existe um valor “certo” e nem uma margem a ser seguida, a dica é verificar o preço da concorrência (referente aos produtos notáveis) de uma a duas vezes por semana.

De acordo com Leandro Rosadas, especialista em supermercados:

“Não existe uma regra ou uma margem pré-definida para os produtos notáveis. Você vai acompanhar o preço dos concorrentes e, a partir disso, bota o teu preço”.

Leandro Rosadas, especialista em supermercados.

Sabendo disso, é hora de encontrar formas de fazer com que os seus notáveis sejam mais baratos e, então, aumentar a sua margem de lucro nos outros produtos, os de baixa notabilidade.

Ou seja: fazer as promoções certas, dos produtos certos, pelo preço certo.

Quais são os produtos notáveis no supermercado?

Existem, sim, alguns produtos notáveis no supermercado que são mais “genéricos”. Porém, lembre-se de que cada loja é uma loja, e cada cliente é um cliente. Assim sendo, para você ter um conhecimento mais assertivo e completo sobre quais são os produtos notáveis do seu negócio, é essencial você ter um bom Software de Gestão de Clientes, como o CBM da Mercafacil.

De qualquer forma, algumas das mercadorias que podem ser classificadas como notáveis, em âmbito geral, são:

  • Alguma marca específica de café, cerveja, achocolatado ou sabão em pó, por exemplo. 
  • Produtos de hortifrúti que são mais “comuns” na casa dos brasileiros, como batata, cebola, alho, ovos, banana e algumas verduras. 
  • Outros produtos que costumam estar presentes em casa, como o leite, a margarina, o macarrão, o arroz, os principais cortes de carne, entre outros. 

Com estes produtos notáveis do supermercado, o seu varejo não pode errar.

Exemplificando:

Você provavelmente não lembra o quanto pagou em um pacote de orégano, mas talvez lembre-se quando pagou barato na sua marca de cerveja preferida, certo? Citando o artigo da Harvard Business Review Brasil:

“(Sobre a cerveja) Você sabe o preço, compara e toma a decisão mais econômica antes de colocá-la no seu carrinho de compras. Aqui, cada centavo é notado, com louvor. Cerveja barata, supermercado barato. Cerveja cara, supermercado caro. Orégano barato ou caro… não há julgamento.”

Harvard Business Review Brasil

A importância dos produtos de baixa notabilidade

Já os produtos de baixa notabilidade – como o orégano, citado acima, – são aqueles de menor volume e frequência de compras. Com eles, é importante tomar cuidado com a precificação, mas ela não deverá afetar a imagem de “bom preço” da sua loja.

Exemplos de mercadorias que podem ser colocadas nessa categoria são as conservas, os temperos variados, as geleias, adoçantes, sal, fio dental, entre outros.

Vale ressaltar que, mesmo que os produtos de baixa notabilidade sejam menos relevantes individualmente, juntos, eles podem representar a maior parte da receita de uma empresa varejista. 

Segundo o artigo da Harvard Business Review Brasil citado anteriormente, essas mercadorias chegam a até 70% do total das vendas. 

Se o setor supermercadista no Brasil movimenta em torno de R$ 300 bilhões por ano, segundo o ranking ABRAS, pode-se estimar que até R$ 210 bilhões são produtos de baixa notabilidade. 

Harvard Business Review Brasil

Supermercado “Preço baixo todo dia” X Supermercado “diferenciado e qualificado”

Supermercado mais barato

Se o seu estabelecimento compete por ser “o mais barato”, não é necessário que os produtos de baixa notabilidade sejam sempre os mais baratos do que os da concorrência. 

Esse é o seu caso?

Então, uma boa dica é sempre reforçar a ideia de que o seu negócio “é o mais barato” – use o marketing e todos os seus canais de comunicação e de venda para isso! – e mantenha um grande leque de mercadorias não notáveis até 2% mais caros que a concorrência.

Ao mesmo tempo, você coloca em prática uma estratégia poderosa de produtos notáveis em promoção, buscando oferecer valores mais baixos que o seu concorrente.

Supermercado diferenciado

Por outro lado, se o seu estabelecimento compete por ser “o melhor” ou “o mais diferenciado”, entende-se que você oferece um atendimento personalizado, produtos de qualidade superior e um ambiente agradável. Neste cenário, o seu cliente compra do seu negócio pelos seus diferenciais e acredita que o seu preço é justo, mesmo que não seja o mais baixo do mercado.

Se esse for o seu caso, a dica é acompanhar de perto os notáveis dos seus concorrentes, oferecendo um preço justo por eles, e manter as mercadorias de baixa notabilidade até 11% mais caras do que a concorrência do mesmo canal. 

Por que conhecer os produtos notáveis no supermercado é tão importante? 

Conforme já citamos brevemente anteriormente:

Os preços dos notáveis, quando estão abaixo do concorrente, dão a impressão para os clientes de que todos os seus produtos são mais baratos. Mesmo que isso não seja verdade.

Fazendo as pesquisas e os cálculos corretos, quando você acerta o preço dos produtos notáveis no supermercado, você tende a vender mais, com mais margem, e ainda passa a ser lembrado pelo seu consumidor como “o supermercado mais barato”. Incrível, não é mesmo?

Por fim, gostou do conteúdo? Então continue acompanhando o nosso blog para ficar sempre por dentro das novidades e tendências do mercado do varejo.

Você já pensou em ter sua marca própria de produtos para comercializar no seu varejo? Essa é uma tendência que está (MUITO!) em alta, deve permanecer assim no futuro próximo e pode trazer diversas vantagens para o seu negócio, destacando-se da concorrência.

Segundo matéria do Estadão publicada em agosto de 2020, “atualmente, a marca própria é vista como uma excelente e importante ferramenta de fidelização“. Além disso, a matéria também nos traz os seguintes dados:

  • Nos anos 2000, apenas 15% dos consumidores acreditavam e confiavam nos produtos de marca própria. Hoje, esse número chega a 80%.

Ainda, de acordo com dados da Kantar, as marcas próprias conquistaram 2,2 milhões de novos consumidores no primeiro semestre de 2020 e já estão presentes em 1 de cada 3 lares brasileiros. Esses dados representam um aumento de 22% em unidades de produtos vendidos – comparando o primeiro semestre de 2019 com o primeiro semestre de 2020.

Dados de crescimento expressivos, não é mesmo? E esse aumento no consumo de produtos de marcas próprias não aconteceu à toa. Ao acompanhar esse texto, você vai entender alguns dos principais motivos que confirmam essa tendência de crescimento

Mas afinal, o que é uma marca própria? 

De acordo com a Associação Brasileira de Marcas Próprias e Terceirização (ABMAPRO), “Marca Própria é todo serviço ou produto, fabricado, beneficiado, processado, embalado para uma organização que detém o controle e distribuição da marca, a qual pode levar, ou não, o nome desta”.

Como um bom exemplo de marca própria no varejo, podemos citar a Qualitá, uma marca própria e exclusiva do GPA. Hoje, a Qualitá oferece mais de 1300 opções de itens que vão desde alimentícios, passando pelo setor de pet shop, limpeza, linha para bebês, entre outros. 

O foco da marca é entregar qualidade sem abrir mão da economia e, assim, tem conquistado espaço tanto nas gôndolas dos supermercados GPA quanto nas casas dos clientes.

Quais as vantagens de ter a sua marca própria?

Pois bem, agora você compreendeu um pouco mais sobre o contexto das marcas próprias no varejo. 

Também, viu que esse é um setor que está em crescimento contínuo e deve permanecer em alta para o futuro próximo. Então, é hora de conhecer um pouco mais sobre as principais vantagens de ter a sua marca própria de produtos. Confira! 

1. Valor competitivo

As marcas próprias costumam apresentar um ótimo valor competitivo de negócio. De acordo com um estudo da Nielsen feito em 2017, comparando com a média do mercado, as marcas próprias apresentam um preço 13% mais competitivo em 85% das categorias. 

Assim sendo, são uma ótima alternativa para consumidores que estão em busca de produtos que tragam uma melhor relação de custo-benefício, diminuindo o seu ticket médio de compras, mas sem deixar de adquirir produtos.

2. Diferencial exclusivo

A sua marca própria é apenas sua. Ou seja, ela é um fator diferencial que faz com que o seu estabelecimento destaque-se dos demais. É comum que, no início, haja um certo receio da parte dos clientes em experimentar marcas e produtos novos.

Porém, se você conseguir chegar a um produto de alta qualidade com um preço atrativo, as vendas dele deverão tornar-se mais naturais com o passar do tempo. Não se esqueça de fazer uma boa divulgação da sua marca própria nas suas redes sociais e nos demais canais de comunicação com o seu cliente.

3. Estar presente nos lares = ser mais lembrado = mais fidelização

Ter a sua marca própria significa que você estará mais presente no lares das pessoas. Isso faz com que, automaticamente, a sua marca passe a ser mais lembrada por elas.

Assim, com um trabalho consistente, a sua marca própria pode acabar se tornando, inclusive, um fator de decisão na hora das compras, fazendo com que aquele cliente volte a comprar na sua loja. O resultado disso? Maior fidelização por parte dos consumidores.

4. Mais liberdade 

Com a sua marca própria no varejo, você tem mais liberdade para… Tudo! Desde a precificação, passando pela escolha de embalagens, cores, medidas, entre outros. Entretanto, é claro, sempre seguindo as normas técnicas exigidas e, também, dados que mostrem, de forma concreta, quais caminhos seguir. Ou seja, em quais produtos investir. 

Desenvolvendo a sua marca própria 

Há espaço, sim, para empresas menores desenvolverem sua marca própria. Para isso, uma dica é unir-se a associações que já fazem marcas próprias para redes supermercadistas e, assim, ganhar mais força para negociação, volume e poder de compra. 

Porém, para decidir quais produtos terão uma maior rentabilidade para o seu negócio e não só podem, como devem, ser começados a ser fabricados pelo seu varejo, é essencial que você conheça muito bem os seus consumidores. 

Para isso, conte conosco.

Agende agora mesmo uma reunião gratuita com um dos nossos especialistas e saiba como a Mercafacil pode te ajudar a conhecer melhor os seus clientes com base em dados concretos. Então, você terá mais conhecimento para oferecer as melhores soluções aos seus consumidores e destacar-se no mercado.

Você já ouviu falar na estratégia de cross selling no varejo? 

Ideal para aumentar o ticket médio das compras dos seus clientes, o cross selling acontece quando o consumidor vai até a sua loja para comprar um produto e, ao se deparar com um layout inteligente e bem pensado e organizado pela sua equipe, ele acaba levando outros complementares.

Ademais, o cross selling também é muito utilizado em lojas virtuais. Basta que, a partir do momento em que o cliente opte por comprar um determinado produto, o sistema ofereça outra série de mercadorias que complementem a compra inicial.

Com certeza, ao fazer compras online, você já se deparou com os dizeres “Leve também”, “Você também vai gostar”, ou “Pessoas que compraram esse produto também levaram”, entre outros, certo? Pois bem, isso é o cross selling.

Ou seja, o cross selling é classificado como uma estratégia de venda adicional, quando o cliente compra aquilo que já desejava e acaba por levar um – ou mais de um – produto(s) complementar(es). Você acha que é por acaso que os pacotes de queijo ralado são posicionados ao lado dos pacotes de macarrão? Com certeza não.

Quando bem utilizada, essa estratégia pode trazer resultados espetaculares para o seu supermercado. Assim sendo, confira nossas dicas para acertar em cheio no cross selling no varejo. 

6 dicas para acertar ao usar o cross selling no varejo

1. Conheça o seu cliente

Você já usa uma plataforma de Gestão de Clientes completa para o seu supermercado? Ela é ideal para te ajudar a conhecer de vez os seus consumidores e pode ser muito importante nessa etapa de planejar o cross selling no varejo.

Unindo informações relevantes sobre as preferências e o comportamento do seu cliente, você saberá dizer – com base em dados e no histórico de compras, e não em achismos – quais são os produtos que os seus fregueses costumam comprar com conjunto.

Assim, será mais fácil mudar o layout da sua loja em busca de organizar pontos de cross selling mais assertivos, que estimulem a venda adicional.

2. Conheça seus produtos

Além de conhecer muito bem o seu cliente, também é extremamente importante que você e todo o seu time de colaboradores conheçam  todos os produtos disponíveis na sua loja. 

Assim, unindo os dados adquiridos por meio do histórico de compra dos clientes com o know-how do seu time, será possível oferecer produtos que agreguem ainda mais valor para a mercadoria que o seu cliente está comprando.

A tecnologia é essencial para tornar o seu trabalho mais assertivo. Porém, o atendimento humano – e humanizado – nunca pode ser deixado de lado. (Ps: falaremos mais disso abaixo!)

3. Faça associações inteligentes e relevantes

Na hora de fazer o cross selling no varejo, nada de forçar a barra! As táticas de “empurrar” produtos para fazer os clientes gastarem mais dinheiro não funcionam. O consumidor não gosta de ser manipulado e/ou enganado.

Por isso, busque fazer associações de produtos inteligentes e relevantes para o seu cliente. Seu objetivo é, sim, aumentar o ticket médio das vendas. Porém, mais do que isso, a sua meta principal deve ser garantir uma boa experiência de compra para os seus consumidores.

Utilizando os dados adquiridos anteriormente, é possível utilizar a criatividade e fazer pontos de cross selling no varejo que sejam “fora da caixinha” e façam com que o seu supermercado destaque-se da concorrência. 

4. Crie kits 

Criar kits de produtos também pode ser uma ótima forma de estimular o cross selling no varejo. Usando a análise do histórico de vendas somada aos dados de Inteligência de mercado, você pode agrupar produto em pacotes/combos, estimulando os consumidores a comprarem todo o conjuntos de itens complementares.

Essa tática pode ser acompanhada de quebras de preços – desde que, é claro, caibam no seu orçamento. Assim, além de aumentar o ticket médio das vendas, também permite que você venda produtos que estão sem giro há um tempo. 

5. Use a sazonalidade para oferecer boas opções de cross selling no varejo

Todos os meses do ano trazem consigo datas comemorativas especiais. E essas celebrações não só podem, como devem, ser bem aproveitadas pelo cross selling no varejo. 

Por exemplo, no dia dos namorados, que tal organizar um ponto de cross selling que traga vinhos, flores e chocolate? Assim, caso o cliente tenha ido até a sua loja para comprar apenas um desses itens, ele pode acabar levando os outros para “incrementar” o presente de dia dos namorados. 

Durante o mês de junho, em que é comemorada a “festa junina”, fazer um cross selling com diversos produtos que fazem sucesso nessa época do ano também é uma ótima pedida!

Esses são apenas dois exemplos de você você pode usar a sazonalidade para aquecer as suas vendas. Com certeza, o cross selling pode ser usado em todos os meses do ano. Basta estar atento ao mercado e buscar novidades para trazer ao seu cliente. 

6. Treine sua equipe para oferecer um bom atendimento 

Pois bem: investir em um bom layout de vendas é essencial para o sucesso do cross selling no varejo. Porém, o bom atendimento não pode (NUNCA!) ser deixado de lado. 

É hora de garantir que a sua equipe esteja muito bem treinada e disposta a oferecer mais do que o seu cliente espera. Nem sempre o cross selling vai estar só nas prateleiras do seu comércio. 

O ideal é que, além de ter o seu supermercado organizado e favorecendo essa técnica de vendas, o atendente compreenda o que o cliente deseja e esteja à disposição para oferecer boas opções de cross selling. Sempre, é claro, de forma personalizada e humanizada.

Vantagens de usar o cross selling no varejo

Enfim, você compreendeu um pouco mais sobre como aplicar as estratégias de cross selling na sua loja, certo? Quando aplicadas de maneira assertiva, essas técnicas podem ajudar a:

  • Aumentar o ticket médio das compras;
  • Favorecer a venda de mercadorias que estavam sem muita saída;
  • Proporcionar uma sensação de satisfação por parte do cliente, com uma experiência de compra mais completa e positiva;
  • Melhorar o relacionamento com o consumidor, favorecendo a fidelização dele, entre outros.

Então, gostou de conteúdo? Ficou com alguma dúvida no assunto ou não sabe como começar a aplicar essa estratégia nos seus negócios?

Aproveite e agende agora mesmo uma reunião gratuita com um dos nossos especialistas e saiba como a Mercafacil pode te ajudar a conhecer melhor os seus clientes e, com isso, aplicar técnicas de cross selling assertivas no seu supermercado. 

Você sabia que utilizar SMS no varejo pode ser uma ótima forma de aproximar o seu relacionamento com o seu cliente? Isso mesmo!

Engana-se quem pensa que o “WhatsApp matou o SMS” ou que ela não é mais eficiente para o seu negócio. Muito pelo contrário: todos os canais de comunicação são complementares uns aos outros. Assim, utilizar um deles não significa ter que deixar outro de lado. Ademais, eles devem ser usados em conjunto, com maestria, para reforçar a comunicação da sua marca.

Pois bem, dito isso, hoje queremos te mostrar que usar SMS no varejo é uma estratégia efetiva, eficiente e que não pesa para o seu bolso. Além disso, ela pode ser utilizada tanto para atrair os seus consumidores fiéis quanto para reativar os clientes inativos. Porém, para isso, ela precisa ser bem utilizada pelo seu negócio. 

O que é SMS?

SMS é a sigla de Short Message Service. Em português, essa expressão pode ser traduzida como “Serviço de Mensagens Curtas”. Assim sendo, como o próprio nome sugere, SMS é uma ferramenta de comunicação utilizada para enviar textos curtos para os aparelhos celulares.

Desempenhando um papel importante no marketing das empresas, o sms no varejo pode ser usado para:

  • Envio de campanhas promocionais segmentadas;
  • Relembrar o seu cliente sobre a sua marca;
  • Incentivar interações do seu cliente com o seu varejo.
  • Complementar as estratégias de e-mail marketing e redes sociais, entre outros. 

De entrega imediata, com leitura de no máximo 3 minutos e taxa de abertura que chega a até 98%, o SMS é uma importante ferramenta para a sua estratégia de comunicação e não deve ser deixada de fora.

7 dicas para usar SMS no varejo

1. Tenha o contato atualizado dos seus clientes 

Ninguém gosta de receber SMS – ou qualquer tipo de mensagem pessoal, – de alguém que não pediu o seu contato. É invasivo e vai contra as boas práticas de comunicação.

Por isso é muito importante que você garanta que o seu cliente ofereça, de bom grado, o seu número pessoal de telefone celular. Quando o consumidor aceita fazer parte do seu Clube de Descontos, por exemplo, ele precisa oferecer o número de celular para o seu varejo.

Assim, você poderá utilizar esse número para enviar SMS’s relevantes e que mantenham o seu cliente por perto, ciente das ofertas especiais e campanhas da sua loja. 

2. Objetivo bem definido – se possível, com um link ao final

O SMS no varejo deve ser enviado com o objetivo muito bem definido. Como as mensagens são curtas e devem ter, no máximo, 160 caracteres, é essencial que você pense bem em qual campanha irá enviar e como irá enviar.  

Você pode apenas redigir algumas ofertas especiais em formato de texto. Porém, para melhores resultados, uma dica é você complementar o texto do SMS com um link que irá direcionar o cliente para o endereço digital que você deseja. Um exemplo é mandar o link de um tabloide digital, de um cupom de desconto, de uma landing page ou do seu site, informando a loja mais próxima para o cliente. 

3. Crie senso de urgência

Para ter um resultado ainda melhor utilizando SMS no varejo, coloque um prazo de validade para as suas ações, criando um senso de urgência e de curiosidade no seu cliente. Por exemplo: “Só hoje você encontra o produto X por YY reais. Aproveite!”

4. Segmente para melhores resultados 

O SMS no varejo é um meio de comunicação altamente pessoal, assim como o e-mail. Por isso, para que ele seja ainda mais valioso e traga resultados impressionantes para a sua marca, faça uma boa segmentação dos seus contatos.

A segmentação dos seus contatos é uma forma de você mostrar para o seu cliente que você sabe exatamente quem ele é e o que ele costuma comprar na sua loja. Esse conhecimento pode ser usado em datas comemorativas sazonais ou para ofertas para reativar, atrair e/ou fidelizar seus clientes. Confira alguns exemplos: 

Data festiva – Dia da Mulher

  • Segmentação: clientes mulheres à partir de 18 anos. Tanto clientes ativas quanto inativas. 
  • Exemplo de texto: “Feliz dia da mulher! Apresente esse SMS no caixa e ganhe 10% de desconto na sua compra de hoje”

Público específico – setor petshop

  • Segmentação: pessoas que compraram no setor de petshop da sua loja nos últimos 3 meses.
  • Exemplo de texto: “Ofertas exclusivas do Clube de Descontos [NOME DO MERCADO] para você, que ama seu pet! Acesse o link e confira: [link do encarte] Ofertas válidas até amanhã”

Reativação de clientes 

  • Segmentação: clientes inativos, que não visitaram a sua loja nos últimos 30 dias.
  • Exemplo de texto: “[Primeiro nome], estamos sentindo a sua falta! Confira as ofertas exclusivas que preparamos para você: [link para ofertas]. Preços válidos até [uma semana de prazo]”. Aproveite!

Para os clientes inativos, resgate o histórico de compra deles, veja o que eles costumavam comprar e, dentro das suas limitações de valores, busque oferecer uma oferta imperdível. 

5. Leia, releia, revise…

São é porque é curto que o SMS no varejo pode ser mandado “de qualquer jeito”. Muito pelo contrário!

Exatamente por ser um meio de comunicação altamente objetivo e direto, é fundamental que você tenha uma grande atenção com a língua portuguesa e a ortografia da sua mensagem. Aposte em textos curtos, de fácil entendimento e que não deixem espaço para dúvidas ou duplos sentidos.

Por isso: escreva, leia, releia, revise e peça a opinião de outras pessoas para garantir que a sua SMS no varejo está impecável.

6. Não seja inconveniente ao mandar SMS no varejo

Você ter o contato e a autorização dos seus clientes não é o desculpa para bombardeá-los de mensagens ou enviá-las em horários inadequados. Assim sendo, não seja aquela marca inconveniente, que manda SMS após o horário comercial ou com mensagens que não possuem um conteúdo relevante para o seu cliente, apenas “enchendo linguiça”.

7. Mensure os resultados das suas ações

Como saber se as campanhas de SMS feitas pelo seu varejo estão efetivamente funcionando? Metrificando e mensurando os resultados dela.

Para isso, pode ser interessante utilizar uma ferramenta completa de CBM, como a da Mercafacil, por exemplo. Com ela, você tem dados o suficiente para saber, dentre os clientes que receberam o SMS, quantos – e quais deles – foram até a sua loja no período de validade das ofertas e o que eles compraram.

Ter esses dados é fundamental para garantir que as suas campanhas não sejam feitas baseadas em “achismos” e, principalmente, para você definir quais ações podem ser mantidas daqui para frente, quais devem ser melhoradas e quais podem ser descartadas. 

Hora de começar a usar SMS no varejo!

Gostou de saber um pouco mais sobre como usar SMS no varejo? Ficou com alguma dúvida no assunto ou não sabe como começar a aplicar essa estratégia nos seus negócios? Então aproveite e agende agora mesmo uma reunião gratuita com um dos nossos especialistas e saiba como a Mercafacil pode te ajudar a transformar o envio de SMS em uma poderosa estratégia de marketing para o seu supermercado.

Você sabe o que são e como explorar os pontos extras em supermercados? Essa estratégia, quando bem utilizada, pode ser uma ótima aliada para aumentar o ticket médio das compras, vender produtos que estavam parados, atrair mais atenção para alguma mercadoria específica, entre outros.

Ademais, essa é uma daquelas estratégias do varejo que pode resultar em bons resultados sem que você precise fazer investimento financeiro. Ainda, caso não alcance o objetivo esperado, basta trocar o ponto extra e testar novos produtos, localizações e estratégias.

No entanto, antes de te explicar o que é e de te dar dicas práticas para você explorar os pontos extras em supermercados, vale ressaltar dois pontos:

  • Ao criar um ponto extra é importante você conhecer muito bem os seus consumidores, fazendo uma Gestão de Clientes eficiente. Afinal, é com esse conhecimento que você saberá quais são os produtos mais adequados para serem colocados nos pontos extras – e que, com base nos dados da sua ferramenta de gestão, provavelmente terão uma saída melhor.
  • Você só irá saber o resultado efetivo da sua ação se você souber como metrificá-la. Por isso, contar com o auxílio de ferramentas tecnológicas para medir se os seus pontos extras estão sendo um sucesso é uma boa saída.

Com isso em mente, vamos te explicar um pouco mais sobre o que são os pontos extras em supermercados.

Afinal, o que são pontos extras em supermercados?

Os pontos extras nas lojas são aqueles que acomodam os produtos fora da sua seção “tradicional”. Ou seja, são os locais em que as mercadorias ficam expostas além da gôndola voltada para itens daquela natureza.

Por exemplo: com a chegada do Coronavírus, vários supermercados criaram pontos extras para expor álcool em gel. 

Então, algumas lojas passaram a disponibilizar o produto em ilhas promocionais, ou seja, em pallets ou balcões entre os corredores, posicionados em pontos de maior fluxo de clientes. Ainda, existem os varejos que optaram por colocar o álcool em gel na ponta das gôndolas e/ou na frente de caixa (check stand).

Todos esses locais citados podem ser utilizados como pontos extras nos supermercados. E, para você aumentar as suas vendas, é muito importante que você saiba como utilizá-los de forma estratégica.

Para te ajudar nessa missão, preparamos boas dicas que vão te auxiliar a montar pontos extras de sucesso. Confira! 

4 dicas para explorar da melhor forma os pontos extras em supermercados

1. Crie ilhas promocionais para chamar a atenção para novidades e/ou produtos que estão em alta no momento 

Quem nunca foi em um supermercado na época do Natal e encontrou uma linda ilha promocional recheada de panetones e chocotones?

No geral, é para isso que as ilhas promocionais servem: destacar um produto e, em alguns casos, até mesmo ajudar a enfeitar a loja – como é o caso do Natal, Páscoa, Dia dos namorados, entre outros.

Ideais para chamar a atenção dos clientes, as ilhas promocionais são as “queridinhas” dos supermercadistas e são uma ótima forma de expor produtos que:

  • Estão em alta no momento – como é o caso do álcool em gel, que citamos acima;
  • São novidade na sua loja;
  • Estão com um preço especial, que merece destaque;
  • Estão com a data de validade próxima do vencimento;
  • São de uma marca específica, muito querida pelos seus clientes. Inclusive… Que tal fechar parcerias com fornecedores que sejam relevantes para a sua loja, negociando uma ilha promocional para expor os produtos deles?

Viu só como são várias as opções para você criar ilhas promocionais no seu supermercado? Vale a pena usar a criatividade e explorar formatos diferentes desses pontos extras. Para isso, esteja sempre antenado e busque apostar em ilhas que estimulem a compra e deixem a sua loja mais viva.

2. Use a ponta de gôndola de forma inteligente

Seguindo para a próxima dica sobre os pontos extras em supermercados, chegou a hora de falar da ponta de gôndola.

Responsável por “encabeçar” toda a gôndola daquele corredor em questão, esse ponto de vendas oferece um grande destaque para os produtos que são ali colocados. Afinal, eles são vistos com mais facilidade pelas pessoas que estão no seu supermercado. 

Por vezes, é pela ponta de gôndola que os clientes reconhecem o que é comercializado em cada corredor e, de acordo com o produto ali colocado, optam por transitar nele. Por isso, é fundamental saber como utilizar esse ponto extra de forma inteligente. Algumas dicas que você pode seguir ao aplicar essa estratégia são:

  • Apenas um produto: fazer uma ponta de gôndola composta apenas por um produto que esteja em promoção, tenha uma grande saída e/ou mereça grande destaque;
  • Alguns produtos da mesma marca: você pode criar uma ponta de gôndola com diversos produtos de limpeza da mesma marca, mas que tenham aromas, cores e funções diferentes, por exemplo. O mesmo vale para produtos comestíveis: você pode colocar pipocas de diversos sabores, salgadinhos,  condimentos – como ketchup, maionese e mostarda, – entre outros;
  • Cross selling: outra opção é apostar no cross selling. Ou seja, na estratégia de expor lado a lado produtos complementares. Assim, o cliente compra o que queria e acaba levando algo a mais. Alguns exemplos de cross selling que você pode aplicar na ponta de gôndola são: pó de café e filtro de cafeteira; cereais matinais e leite; achocolatado e leite condensado; macarrão e queijo ralado e/ou molho de tomate, entre outros. 
  • Orelha: também utilizado como uma forma de cross selling, a “orelha” é um display ou rack que pode ser montado ao lado da ponta de gôndola, complementando-a.

3. Aproveite a frente de caixa – ou check stand – para expor os itens comprados por impulso

Quem nunca comprou um chocolate, um salgadinho, uma bala ou um refrigerante de última hora, simplesmente porque esses itens estavam posicionados de forma estratégica na frente de caixa? Pois é: é para isso que este ponto extra serve!

Porém, além de ser ideal para estimular as compras feitas por impulso e que tragam uma sensação de recompensa, o check stand também pode ser utilizado para comportar mercadorias que costumam ser esquecidas pelos clientes, como pilhas, lâminas de barbear, lâmpadas, isqueiros, entre outros.

A frente de caixa também pode ser enriquecida com itens sazonais, como lápis, canetas e borrachas na volta às aulas, por exemplo. Ainda, outra estratégia para fazer com que a fila do caixa seja menos cansativa para o cliente, é apostar em produtos que mantenham-no entretido, como revistas.

4. Faça uso do Clip Strip: uma estratégia sutil, mas eficiente

Sabe quando você está andando por um corredor e vê uma espécie de “faixa pendurada” que traz alguns produtos grampeados ou fixados nesta própria faixa? Então, esse é o Clip Strip.

Ele pode ser extremamente útil para exibir produtos pequenos, leves e que tenham pouco volume. Produtos esses que, quando expostos de forma tradicional nas gôndolas, acabam por não atrair a atenção dos clientes.

Eles podem ser expostos tanto nos seus corredores “tradicionais” – por exemplo, fazer um Clip Strip com pequenos pacotes de amendoim em um corredor de salgadinhos, – ou em corredores nos quais o objetivo é fazer o cross selling – por exemplo, fazer esse mesmo Clip Strip com amendoim em um corredor de cervejas.

Outros produtos que costumam ser utilizados nesse ponto de vendas extra são:

  • Temperos culinários: podem ser colocados em corredores de temperos e condimentos, ou próximos dos pacotes de arroz, de pipoca e de demais receitas em que costumam ser utilizados.
  • Pacotes de queijo ralado: posicionados próximos aos pacotes de macarrão.
  • Granulados para doces e coco ralado: próximos ao leite condensado.
  • Fio dental: perto das escovas e cremes dentais, entre outros.

Os pontos extras em supermercados são extremamente importantes para alavancar suas vendas. Use-os de forma estratégica! 

Enfim, agora você já sabe um pouco mais sobre boas maneiras de explorar os pontos extras em supermercados, não é mesmo? Então, aproveite para colocar nossas dicas em prática e colher os bons frutos dela.

Pois bem, não sabe por onde começar a implementar essas ações e/ou está com dúvidas sobre quais são os melhores produtos para utilizar nos seus pontos extra? Então entre em contato conosco agora mesmo, conheça nossas soluções para o seu varejo e passe a conhecer melhor os seus clientes.

Assim, com certeza será mais fácil decidir quais são as mercadorias que merecem destaque no seu supermercado.